Programa de Estágios em Torre de Moncorvo!

A AJUM – Associação de Jovens Universitários de Moncorvo) ainda tem vagas nos seguintes estágios:

Desenvolvimento Loja Online
Estágio em Contabilidade
Estágio em Turismo
Estudo Biográfico Personalidades Moncorvenses
Medicina Veterinaria
Traduçãao de Conteúdos para Alemão
Tradução de Conteúdos para Espanhol
Traduçao de Conteúdos para Inglês
Administração Arte Sabor e Douro
Medicina Dentária

Candidata-te em:
http://ajum.org/programa-de-estagios-de-curta-duracao-de-2014/

Carviçais Rock em Torre de Moncorvo arranca na segunda-feira

O festival Carviçais Rock, que começa na segunda-feira na aldeia de Torre de Moncorvo, querendo entrar para o circuito nacional dos festivais de verão e tornar-se “uma referência” no campo da música rock na região transmonta.

 

 

No primeiro dia do festival o destaque vai para os Blind Zero que vão partilhar o palco com os Primitive Reason.

 

Já na terça-feira, segundo dia do festival sobem ao palco os The Gift, Norton, Keep Razors Sharp entre outros nomes convidados.

 

Para o primeiro dia dos Carviçais Rock está uma receção aos festivaleiros com atuação de um DJ no parque de campismo que dá apoio ao festival e no centro da aldeia de Carviçais haverá uma série de iniciativas músicas e outros divertimentos para proporcionar momentos “agradáveis aos visitantes”.

 

“Há muita ansiedade, já que o festival esteve parado durante seis anos”, disse à Lusa Francisco Brás um dos promotores da iniciativa.

 

A organização garante que o festival se manterá sempre em dias uteis, já que durante o mês de agosto há muita gente de férias e os emigrantes estão de regresso às suas terras de origem.

 

“O nosso público vem essencialmente dos distritos de Bragança e Vila Real, e só uma pequena fatia dos festivaleiros são oriundos de outros pontos do país. Por este motivo justifica-se a realização do Carviçais Rock nos primeiros dias da semana”, frisou

 

Segundo a organização, pretende-se orientar o Carviçais Rock para um público jovem e para os emigrantes da região, mas sempre de portas abertas para os entusiastas vindos de outros pontos do país.

 

Os mentores da iniciativa musical garantem que os contactos de bandas interessadas em participar no festival já para o próximo “têm sido contínuos em grande número” e que “há uma fome de Carviçais Rock”.

 

A organização do Carviçais está a cargo da Junta de Freguesia, Câmara de Torre de Moncorvo e diversas associações culturais e desportivas do concelho.

 

 

 

Última aldeia piscatória

Torre de Moncorvo, 19 jul (Lusa) – Chico Barbas, como gosta de ser tratado, é um dos últimos pescadores que se veem em pequenos barcos rabelos, cruzando diariamente as águas dos rios Sabor e Douro.

É da aldeia da Foz do Sabor, no concelho de Torre de Moncorvo, a única localidade transmontana onde ainda há quem sobreviva da pescaria.

Nada que se compare, porém, com a intensa atividade piscatório de outros tempos, que era o sustento de muitas famílias naquele território do sul do distrito de Bragança.

“No passado, a pesca não era para qualquer um. Era uma tarefa muito difícil, mas vinha aqui à aldeia gente de todo o distrito à procura de peixe. Muitas famílias foram assim criadas”, recorda Chico Barbas.

Numa aldeia com pouco mais de 300 habitantes, só duas famílias é que não se dedicavam à arte da pesca. “Hoje, é notório o envelhecimento dos mestres da pesca”, observa.

Como a atividade já não é rentável, os pescadores procuram outras formas de subsistências e deixam o alerta às autoridades, para que os típicos barcos rabelos possam também ser convertidos em meio de transporte fluvial para turistas.

“Há muita gente que me pede para dar uma volta no meu barco rabelo, mas há muitas restrições e muita fiscalização por parte das entidades marítimas. Não podemos arriscar e pedimos para que a legislação que regulamenta o sector seja revista a fim de podermos continuar a trabalhar”, frisa o pescador.

Ramiro Relhas, o mais velho pescador da Foz do Sabor, com 84 anos, diz que desde cedo começou a atividade nas águas do rio e recorda que o colchão andava sempre no barco, para nele dormir enquanto as redes esperavam os peixes.

“Poucas vezes íamos a terra, tanto eu como a minha mulher, e assim rentabilizávamos o tempo e a pescaria que era desenvolvida quase até ao Pocinho”, enfatiza o velho pescador.

A Câmara de Torre de Moncorvo diz ter projetos para dinamizar e rejuvenescer a atividade na última aldeia piscatória transmontana e está a lançar, através do Gabinete de Apoio a Investidor, projetos para a recuperação e pintura dos barcos e outros atrativos para relançar a atividade naquela aldeia.

“A Foz do Sabor é um dos ex-líbris turísticos do concelho de Torre de Moncorvo. Queremos, através de apoios vindo da autarquia, que a atividade piscatória seja relançada e continue, assim, a um ser um modo de vida sustentável na região”, diz Nuno Gonçalves, autarca de Torre de Moncorvo.

Novos projetos turísticos começam a surgir nas mediações do Foz do Sabor, região será a porta de entrada do ambicionado complexo proporcionado pelos três lagos de Baixo Sabor que começaram a ser criando, aquando do enchimento da barragem em construção naquele curso de água e que poderá beneficiar os concelho de Torre de Moncorvo, Alfândega da Fé e Mogadouro.

Um cais para barcos de grade calado e uma nova fluvina fazem parte do projeto para assim atrair os turistas que viajam nos grandes barcos que diariamente sobem o rio Douro desde Porto até à Barca de Alva.

FYP // JGJ

Lusa/fim

Juventude Socialista de Torre de Moncorvo afirma que as políticas de natalidade do Município são insuficientes

Para a concelhia de Torre de Moncorvo da JS os apoios concedidos pelo Município são insuficientes e não reduzem o problema de desertificação do concelho e não contribuem para o aumento da natalidade

O Município de Torre de Moncorvo lançou este mês uma medida de incentivo à natalidade, que aplaudimos, mas que a médio e longo prazo não resolve o problema da natalidade.

Segundo o coordenador da concelhia da JS, João Pavão “esta medida criada pelo executivo municipal não responde às verdadeiras necessidades das famílias e em especial dos jovens casais que pretendem fixar-se no concelho de Torre de Moncorvo. Concordamos com este apoio, mas é da nossa opinião que o apoio às famílias, e em especial aos jovens, seja realizado de forma mais precoce. “

João Pavão, acrescenta ainda que ” é primordial que se implementem políticas que reduzam o IMI, que reduzam tarifas da água ou até mesmo que se atribuam habitações com rendas baixas para jovens casais. Desta forma é possível apoiar a fixação de jovens, combater a desertificação, aumentar a taxa de natalidade e desenvolver demograficamente e economicamente o concelho.”

A Juventude Socialista de Torre de Moncorvo salienta ainda que Torre de Moncorvo é o concelho em Portugal com a taxa bruta de natalidade mais baixa (2,5 nascimentos por cada mil habitantes) e que é urgente melhorar esta realidade. João Pavão afirma ainda que “ o executivo não pode somente criar medidas paliativas que solucionam o problema a curto prazo, mas sim medidas que criem sustentabilidade a longo prazo. Relembro que a isenção do IMI para casais com menos de 30 anos faz parte do programa do PSD/CDS-PP e eles não estão a cumprir essa promessa. Não é com medidas puramente de propaganda que se soluciona o problema”.

Recebido via email

NAMARI a nova revelação da música

Qualquer coisa uniu dois continentes para que hoje seis bons amigos pudessem fazer música juntos. Dessa música se fazem momentos, dançantes ou reflexivos, e desses momentos se faz a vida.

Namari assume-se como um projeto eclético pois agrupa na sua música um pouco de tudo aquilo que inspira os seus componentes: do Rock ao Samba, do Fado ao Reggae. A lusofonia é, até o momento, uma das suas maiores características, evidenciando o gosto por compôr e cantar em português. Namari tem a satisfação de atrair para si um público curioso, interessado e predisposto a gostar, que abrange todas as idades.

Como diz em uma de suas letras: “A partilha do presente só aumenta o bem-estar.”

Próximos concertos:
19 de Julho – Festival das Migas e do Peixe do Rio – 22H – Foz do Sabor
26 de Julho – Bar Bom Amigo – 22:30H – Torre de Moncorvo
01 de Agosto – Círculo de Arte e Recreio – 22H – Guimarães
09 de Agosto – Estevais Alive – 23:30H – Mogadouro
11 de Agosto – Carviçais Rock – Torre de Moncorvo

20140717-153642.jpg